Imprimir esta página
Sexta, 06 Abril 2018 00:00

Fundo TPG conclui a aquisição das linhas da Abengoa

Avalie este item
(0 votos)

Valor Econômico - 04/06/2018

O fundo americano TPG (antigo Texas Pacific Group) efetuou na última semana o pagamento pela aquisição da participação da espanhola Abengoa em sete linhas de transmissão em operação no Brasil, somando cerca de 3.500 quilômetros de extensão e receita anual permitida (RAP) de R$ 476 milhões. O Valor apurou que o grupo tem interesse em avaliar a aquisição da fatia dos sócios nesses empreendimentos, além de estudar outras oportunidades em infraestrutura no país.

O valor total da aquisição foi de R$ 482,5 milhões. Com o ajuste da inflação a partir de janeiro deste ano, o valor final ficou em R$ 487 milhões. Desse montante, já foram desembolsados cerca de 80%. O restante será pago após a análise do balanço financeiro das linhas.

O pagamento foi viabilizado após a aprovação da Aneel para a transferência da titularidade da participação nas linhas e do aval do BNDES para a substituição da empresa responsável pelos financiamentos relativos aos empreendimentos. As duas aprovações foram concedidas recentemente.

O processo teve início em fevereiro de 2017, quando a TPG demonstrou interesse pelos ativos operacionais da Abengoa, que estava em recuperação judicial no Brasil. O fundo então apresentou proposta vinculante pelas linhas, no valor de R$ 400 milhões, o que viabilizou a realização do leilão judicial dos empreendimentos, no qual o TPG teve direito a cobrir eventuais propostas que surgissem. No fim, o fundo venceu o certame com a proposta de R$ 482,5 milhões, além da assunção de cerca de R$ 1,3 bilhão em dívidas. O TPG contratou o banco Modal para fazer a assessoria financeira do negócio.

Com o fechamento da operação, o TPG já está tratando das nomeações de diretores e conselheiros nas sociedades de propósito específico (SPEs) responsáveis pelas linhas adquiridas. A companhia também está realizando reuniões de relacionamento com seus novos sócios nos empreendimentos. O Valor apurou que, caso os sócios tenham intenção de vender suas fatias nas linhas, o TPG tem interesse em avaliar a oportunidade.

O caso mais conhecido nesse sentido é o da Norte Brasil Transmissora de Energia (NBTE), um dos linhões que fazem a ligação das usinas do Rio Madeira, em Rondônia, à Araraquara (SP), de 2.375 quilômetros de extensão. O TPG passou a deter 51% do empreendimento, no qual a Eletronorte, subsidiária da Eletrobras, possui os 49% restantes. Essa participação, contudo, foi incluída pela estatal no plano de desinvestimentos em SPEs, cujo leilão está previsto para ocorrer nos próximos meses.

 

Ler 385 vezes Última modificação em Segunda, 04 Junho 2018 13:58